Indicador de mercado de trabalho da FGV tem segunda alta consecutiva

O indicador que avalia as tendências do mercado de trabalho, com base em entrevistas com consumidores e empresários da indústria, subiu 4,7 pontos na virada de abril para maio. Foi a segunda alta consecutiva, após o avanço de 1,6 ponto de março para abril. 

Com o resultado, divulgado nesta sexta-feira (11) pela Fundação Getulio Vargas, o Indicador Antecedente de Emprego chegou a 83,4 pontos, mesmo patamar do início do ano. A principal contribuição para a alta veio do componente da Situação Atual dos Serviços.

Na avaliação do economista da FGV Rodolpho Tobler, a melhora nas expectativas para o mercado de trabalho tem sido influenciada pela flexibilização das medidas restritivas e o avanço da vacinação contra a covid-19.

O cenário para os próximos meses, ainda segundo o economista, sugere continuidade da recuperação do mercado de trabalho. Tobler alerta, no entanto, que a retomada gradual está sujeita a riscos, em especial, de novas ondas da pandemia de coronavírus.

Os dados da FGV mostram ainda que, dos sete componentes do indicador, seis deram contribuição positiva para o resultado do mês. Apenas o componente que mede a Tendência de Negócios da Indústria contribuiu de forma negativa para o resultado.

Economia Índice subiu 4,7 pontos na virada de abril para maio Rio de Janeiro Indicador de mercado de trabalho da FGV sobe 1,6 ponto em abril Transformação do mercado de trabalho é tema do Caminhos da Reportagem 11/06/2021 – 12:15 Vitória Elizabeth/ Renata Batista Lígia Souto – Repórter da Rádio Nacional FGV mercado de trabalho sexta-feira, 11 Junho, 2021 – 12:15 2:14